Linha do Vouga...

30/11/2015

Da Pena a Covas do Monte


Para viver o verdadeiro espírito de aventura, este sábado fomos fazer um percurso não marcado, onde tivemos que puxar pela memória, socorrer-nos das cartas topográficas e da descrição no blogue, para evitar tomar decisões erradas.

Os entusiasmados caminhantes foram a Sara, a Manuela, a Sílvia, a Carla, o Amaral, o Zé Figueiredo e o Francisco, que se juntaram em S. Pedro do Sul na pastelaria Lafões.

A caminho da Aldeia da Pena, no cimo da Serra de S. Macário, a vista era deslumbrante sobre a camada de nuvens que cobria a parte mais baixa da serra.

Chegados à Pena, fomos acertar o almoço com o Sr. Alfredo da Adega Típica, antes de começar a caminhada.

O velho letreiro que indicava o trilho “onde o morto matou o vivo” já desapareceu, facto que não nos fez enganar no caminho. Começámos a longa descida até à garganta de acesso a Covas do Rio, local de paisagens fabulosas e cheias de arvoredo, verdura e água corrente entre as pedras do leito da Ribeira da Pena.

No trilho, mesmo antes da aldeia, apareceram alguns bonecos pendurados nos ramos de árvores cujo significado nos intrigou. Será algum ritual exotérico?

Já após Covas do Rio, no caminho para Serraco, onde algumas bifurcações no caminho levam à dúvida sobre qual o caminho a seguir, acabou por se fazer sem grandes problemas apesar de algumas referências, como os curiosos sinais de proibido e obrigatório, já terem desaparecido.

Como não descobrimos o antigo caminho empedrado resolvemos continuar pelo estradão.

Em Covas do Monte a escola/restaurante encontrava-se fechada, pelo que, após uma pequena pausa para tomar fôlego iniciámos a exigente subida em direcção à aldeia da Pena. O percurso possui uma acentuada inclinação, com muita pedra solta,  que nos faz perder a tracção e dificulta ainda mais a subida.

Com a mente a mandar, porque o corpo já estava de rastos, lá chegámos à estrada.

Por indicação dum pastor, que se deslocava de mota (!), tomámos o trilho de acesso à Pena. Este trilho tem belas vistas da serra e para a Serra de Montemuro.

Junto ao desvio que fazemos para as paredes de escalada da Pena, o Amaral aproveitou para mostrar os seus conhecimentos de caçador, na detecção de vestígios da presença de javalis.

Já na aldeia da Pena nada melhor do que festejar esta actividade, cansativa mas relaxante, com cabrito e vitela cozinhada em forno de lenha. Foi o culminar de mais um sábado muito bem passado, em espírito de amizade, camaradagem, na prática de montanhismo.



0 comentários: